Venerável Antonieta Farani

Sua família sofreu traição de parentes, e ela, pela força da Eucaristia, dada a nós “pelo perdão dos pecados”, torna-se verdadeira apóstola do perdão! Conheça sua biografia!


Cadastre-se e receba nosso informativo:
E-mail: Cadastrar | Remover
Canais
Principal
COMECE AQUI !
Patrocinadores
Fale Conosco
Santos
ELENCO GERAL
Beato Inácio e Com.
São Roque e Com.
São José de Anchieta
Santa Paulina
Santo Antônio Galvão
Santos Mártires RN
Beato Eustáquio
Beato Mariano
Beata Albertina
Beatos Manuel e Adílio
Beata Lindalva
Beata Bárbara Maix
Beata Dulce
Beata Nhá Chica
Beata Assunta Marchetti
Beato Pe. Victor
Beato João Schiavo
Ven. Teodora Voiron
Ven. Antonieta Farani
Ven. Rodolfo Komorek
Ven. Attilio Giordani
Ven. Ir. Serafina
Ven. Me. Ma. Teresa
Ven. Dom Viçoso
Ven. Marcello Candia
Ven. Pelágio Sauter
Ven. José Marchetti
Ven. Daniel de Samarate
Ven. Pe. Donizetti
Outras Biografias
Temas
Papa Bento XVI
Santos do Brasil
Processos de Canonização
Beatificação e Canonização
Comunhão dos Santos
 
E-mail:
Senha:
 
» Santos do Brasil » Donizetti
 

- Biografia Pe. Donizetti













Venerável Pe. Donizetti Tavares de Lima



Nasceu em 3 de janeiro de 1882, em Santa Rita de Cássia, Minas Gerais. Seu pai, Dr. Tristão Tavares de Lima, era advogado, e sua mãe, Francisca Cândida Tavares de Lima era professora primária. Depois de residir em várias cidades, a família resolveu situar-se em São Paulo, capital, e Donizetti iniciou o Curso de Direto na Faculdade do Largo de São Francisco, em 1900. Freqüentou também o conservatório de música, tornando-se exímio pianista, compositor e maestro.

Abandonou o curso de direito para ingressar no Seminário de Pouso Alegre, pois Deus o chamava para ser um de seus Apóstolos. Quem o orientou foi o Reitor do Seminário, Pe. João Batista Nery. Ordenou-se Sacerdote em 12 de julho de 1908, em Pouso Alegre, MG, e em seguida foi nomeado secretário do novo bispo da recém-criada diocese de Campinas, seu amigo e conselheiro Pe. João Batista Nery. Foi também vigário de Pedreiras.

Criada a diocese de Ribeirão Preto em 1910, pediu para ser aí transferido, e tornou-se vigário de Sant’Ana da Vargem Grande (hoje Vargem Grande do Sul), onde trabalhou por 16 anos, exercendo grande liderança, e construindo a Igreja Matriz. Além da indiferença religiosa a cidade sofria com as rixas políticas e a divisão das famílias. Apaziguou e uniu o povo. Procurou dar orientação para as eleições, no conturbado período após a revolução de 1924, e sofreu muito com os políticos locais. Pregava o bem comum como critério e era ardoroso ao defender os mais pobres, o que atraiu a perseguição dos fazendeiros ricos e políticos aproveitadores, que o taxaram de ‘padre irreverente e revolucionário popular’. Criaram tal situação que o bispo foi obrigado a transferi-lo, para que não sofresse tanto.

Foi nessa época em Vargem grande que Pe. Donizetti escapou de uma emboscada. Combinaram de empurra-lo de uma pinguela para cair num precipício em um lugar ermo da cidade. Madrugada alta, vieram chamá-lo para dar a extrema unção em um velhinho que habitava nesse caminho. Ao fazerem o pedido, Pe. Donizetti respondeu calmamente dizendo que já era tarde, pois o pobre velhinho já havia morrido. De fato, naquela hora exata, o doente faleceu.

Em 13 de junho de 1926 tomou posse como Vigário da paróquia Santo Antônio, de Tambaú, SP, onde permaneceu até a morte.

Pe. Donizetti impressionava o povo pela sua sinceridade e franqueza. Não tinha preconceito contra as pessoas, se dava bem com todos, especialmente com os pobres e necessitados. A eles devotou toda sua vida. Sua luta minorou o sofrimento de inúmeras famílias que encontravam no Padre um alento para o corpo e para a alma. Considerava necessitado todo aquele que fosse carente, seja no campo material, moral ou espiritual. Construiu um asilo e adquiriu terrenos e casas visando obras sociais para o futuro. Tudo o que lhe doavam era destinado aos mais pobres. Levava uma vida sóbria e modesta.

Exercia na cidade uma autoridade moral muito forte. Sua voz era sempre acatada. Lia jornais todos os dias, estava sempre atualizado com os acontecimentos do Brasil e do mundo. Tinha uma vasta biblioteca. Seu sacerdócio é um paradigma para aqueles que consagram sua vida a Deus. Ele vivia todos os instantes que podem ser vividos por um sacerdote zeloso de suas responsabilidades. Nunca pensava na sua comodidade, mas sim na implantação diária do Reino de Deus. Cuidava pessoalmente de todos os detalhes em sua Paróquia, desde o ensaio das crianças para Coroação de Nossa Senhora, no mês de maio, até os problemas municipais envolvendo políticos do cenário nacional.

Muito devoto de Nossa Senhora Aparecida, trouxe uma imagem fac-símile para a Igreja de Santo Antônio. Em 1929, no dia 11 de outubro, um incêndio devastou a Igreja Matriz. Restaram as paredes desvestidas de reboco, mas ilesa ficou a imagem de Nossa Senhora Aparecida, com seu manto de seda intocado! A partir de então todos a consideravam uma imagem milagrosa.

A personalidade marcante de Pe. Donizetti começou a ser conhecida além de Tambaú. Muitas pessoas vindas de longe vinham expor seus problemas, seus sofrimentos e suas dúvidas. As bênçãos de Pe. Donizetti tornaram-se famosas. No ano de 1954 as romarias começaram a aumentar, sua fama espalhando-se por toda parte. Afirma-se que certa vez cerca de 200 mil pessoas tomaram conta da cidade para receber as suas bênçãos. Pe. Donizetti dizia apenas: “Eu não curo ninguém. Eu peço a Deus e Ele atende por intercessão da Virgem Aparecida”. Estão catalogados milhares de milagres alcançados pela intercessão do Pe. Donizetti. Todas as Graças, alcançadas pelos miraculados, eram por ele sempre atribuídas à fé dos mesmos e à ação intercessora de Nossa Senhora. Além das curas, a cidade de Tambaú foi palco de um número infindável de conversões. O Pe. Donizetti considerava as conversões mais importantes que as curas. Estas têm uma existência curta, da extensão da vida terrena. As conversões valem para a vida eterna. Quanto aos repórteres, Pe. Donizetti não queria vê-los de forma alguma.

Depois de 35 anos de intensa atividade, sua saúde começou a declinar. A partir de março de 1961 ele só dava a tradicional bênção da janela de sua casa. Já não celebrava mais. Às 11h15min da manhã do dia 16 de junho de 1961, Deus o chamou para junto de si, sentado em sua cadeira e assistido por alguns paroquianos. Tinha 79 anos de idade, e foi pároco de tambaú por 35 anos. Milhares de pessoas acorreram para o adeus final.

A fama de santidade que tinha em vida continua até hoje, e grande é a afluência de devotos que acorrem à Tambaú para agradecer, junto de seu túmulo, as graças alcançadas.

 

 

Oração para a Beatificação

Pai Santo, nós vos pedimos que, se for vontade Vossa,

 possamos chegar ao conhecimento de Vossos dons de santidade no Pe. Donizetti,

que Vos serviu na terra como sacerdote zeloso e dedicou toda a

 sua vida para transmitir Vossos dons,

através da Palavra com que instruía,

dos Sacramentos com que santificava e da liderança paroquial com que unia e ajudava os fiéis que, numerosos, o vinham procurar,

na cidade de Tambaú onde foi Pároco por muitos anos.

Ajudai-nos, Senhor, a reconhecer nele os dons de Vossa Bondade e o testemunho de Vosso Amor, para que, imitando seus exemplos, sejamos também nós construtores de uma sociedade mais justa e fraternal.

Dignai-vos conceder a beatificação do Pe. Donizetti e, Senhor,

para consagrar mais inteiramente nossas vidas à causa da justiça,

do amor e da paz, dai-nos, por sua interseção, a graça

 que tanto precisamos...(peça-se).

Amém.
Pai Nosso, Ave Maria e Glória.

 

Restos Mortais: no Santuário Nossa Senhora Aparecida, em Tambaú, SP.

Causa de Canonização: sediada na Diocese de São João da Boa Vista, SP. Ator: Diocese de São João da Boa Vista.

21/02/1992 - Início da ampla pesquisa sobre a vida, virtude e fama de santidade de Padre Donizetti; 02/12/1996 – Nihil Obstat; 16/03/1997 – Abertura do Processo de Beatificação e constituição do Tribunal Eclesiástico; 08/05/2009 – Exumação dos restos mortais; 16/05/2009 – Encerramento da fase diocesana e trasladação dos restos mortais para o Santuário Nossa Senhora Aparecida de Tambaú; 14/09/2009 – Abertura da fase romana, no Vaticano; 29/10/2010 – A Congregação para a Causa dos Santos assinou o decreto de validade do Processo de Beatificação; 06/05/2013 – Entrega da Positio, documento oficial sobre o postulado da santidade, vida e virtudes de Padre Donizetti; 9/10/2017 – Decreto da Heroicidade das Virtudes (título de Venerável).

Bibliografia sobre Pe. Donizetti:

Pe. Antônio Haddad. O homem do povo sofrido. 1980

Dom Dadeus Grings As maravilhas do Pe. Donizetti. S. J. Boa Vista: Gráfica Cidade, 1996.

José Wagner Cabral de Azevedo. Padre Donizetti de Tambaú. Aparecida: Ed. Santuário, 2001.

Para comunicar graças alcançadas pelo Servo de Deus:
Santuário Nossa Senhora Aparecida
Praça Pe.
Donizetti, 9
13710-000  Tambaú  -  SP
Tel.: (19) 3673-3201 / 3673-1723

Outras informações:

http://www.padredonizettitambau.com/


Inserida por: Administrador fonte:  administrador


 
 
 
Elaboramos esse site
com o objetivo de divulgar nossos santos.
 
 

Hospedagem e
Desenvolvimento