Beata Bárbara Maix

Chegou ao Brasil com suas companheiras para servir aos mais pobres e assim se imolou, fazendo-se tudo para todos e deixando o mais belo exemplo de perdão, como Cristo na cruz!...


Cadastre-se e receba nosso informativo:
E-mail: Cadastrar | Remover
Canais
Principal
COMECE AQUI !
Patrocinadores
Fale Conosco
Santos
ELENCO GERAL
Beato Inácio e Com.
São Roque e Com.
São José de Anchieta
Santa Paulina
Santo Antônio Galvão
Beatos Mártires RN
Beato Eustáquio
Beato Mariano
Beata Albertina
Beatos Manuel e Adílio
Beata Lindalva
Beata Bárbara Maix
Beata Dulce
Beata Nhá Chica
Beata Assunta Marchetti
Beato Pe. Victor
Ven. Teodora Voiron
Ven. Antonieta Farani
Ven. Rodolfo Komorek
Ven. Attilio Giordani
Ven. Ir. Serafina
Ven. Me. Ma. Teresa
Ven. Dom Viçoso
Ven. Marcello Candia
Ven. Pelágio Sauter
Ven. Pe. João Schiavo
Ven. José Marchetti
Ven. Daniel de Samarate
Outras Biografias
Temas
Papa Bento XVI
Santos do Brasil
Processos de Canonização
Beatificação e Canonização
Comunhão dos Santos
 
E-mail:
Senha:
 
» Santos do Brasil » Viçoso
 

- Venerável Dom Viçoso

Venerável Dom Antônio Ferreira Viçoso




nasc. 13/05/1787  -   07/07/1875)



bispo (religioso lazarista)

 

No dia 13 de maio de 1787, nasceu em Portugal, na Vila de Peniche, distrito de Leiria, o menino que recebeu, na pia batismal, o nome de Antônio Ferreira Viçoso. Seus pais eram muito virtuosos, e lhe ensinaram logo o  amor a Deus, à Igreja e aos pobres.

Com os padres Carmelitas do Olhalvos e de Santarém, aprendeu as primeiras letras e cursou o seminário menor e maior. Com os padres lazaristas de Rilhafoles, fez o noviciado

para ingressar na Congregação da Missão, fundada por São Vicente de Paulo. Ordenado sacerdote em 1818, teve como primeiro campo de trabalho o seminário de Évora, onde foi zeloso professor. No ano seguinte, partiu para as Missões no Brasil, acompanhando seu amigo Pe. Leandro Rebelo P. Castro.

Partindo do Rio de Janeiro, após 45 dias de viagem a cavalo,  os dois missionários chegaram ao Caraça no dia 15 de abril de 1820. Por ordem de D. João VI, tomaram posse dos bens deixados, em testamento, pelo Irmão Lourenço de N. Senhora, fundador do Santuário do Caraça, no centro das montanhas de Minas. A primeira atividade dos dois sacerdotes foi pregar missões a abrir o colégio do Caraça, que se tornou célebre.

A pedido do Irmão Joaquim do Livramento, D. Pedro I determinou que Pe. Viçoso fosse o reitor do Seminário da Santíssima Trindade, em Jacuecanga, perto de Angra dos Reis. Lá esteve 15 anos, dedicado à educação da juventude. De volta ao Caraça em 1837, foi nomeado Diretor do Colégio e eleito Superior Geral dos Lazaristas no Brasil. Na “Revolução de Minas” (1842), levou os alunos para o Triângulo Mineiro, hoje Campina Verde, onde recebeu a nomeação para Bispo de Mariana.

 

Bispo de Mariana (1844-1875)

 

Sagrado bispo no Mosteiro de São Bento, no Rio, em 5 de maio de 1844, tomou posse, no mês seguinte, da Sé Episcopal de Mariana, vaga há nove anos. Imensos trabalhos o aguardavam na diocese que abrangia quase todo o atual estado de Minas Gerais. Começou por visitar as numerosas paróquias, o que fez religiosamente, durante os 31 anos de seu fecundo episcopado. Partindo de Mariana, a cavalo ou de liteira, percorria, durante seis meses, anualmente, grande parte do torrão mineiro. Suas visitas pastorais eram verdadeiras missões com várias pregações diárias para o povo e encontros paternais com os vigários. Apesar da extensão territorial do bispado, o apostólico Pastor, até a idade de 88 anos, levava, por todas as estradas de Minas, a ação benéfica de sua presença. Como Cristo, passava fazendo o bem.

Uma das maiores preocupações de Dom Viçoso foi a restauração da disciplina eclesiástica. Para o Clero que ia formar, deu-lhe, para aqueles tempos, o melhor seminário do Brasil; para o velho clero, estragado pelas ruindades dos tempos, teve a solicitude de um pai, instruindo, corrigindo. Era tão brando e caridoso ao faze-lo, que cativava o infrator e o ganhava. Para melhor orientar os padres, escreveu ou traduziu vários livros de teologia, moral e piedade. Em 31 anos de bispo, ordenou 318 sacerdotes, o que eqüivale a 10 por ano. E teve a glória se sagrar três bispos entre seus discípulos: D. Luís Antônio dos Santos para o Ceará, D. Pedro Maria de Lacerda para o Rio de Janeiro e D. João Antônio dos Santos para Diamantina. Mais tarde, o seu afilhado, o santo e sábio D. Silvério Gomes Pimenta, será também bispo e o primeiro arcebispo de Minas.

Antes da República, a Igreja do Brasil podia considerar-se serva do Estado, que agia como um dominador absoluto. Demitia-se ou removia-se, por exemplo, um pároco, como se demitia ou se removia um ‘inspetor de quarteirão’, à revelia do bispo. Contra esses abusos, ergueu-se Dom Viçoso e reclamou respeito às leis da Igreja. Por ocasião da célebre “Questão Religiosa”, opô-se firmemente junto ao Imperador D. Pedro II, protestando contra a prisão de dois bispos, D. Macedo Costa e o SD. Dom Vital Maria Gonçalves. Nessa época já se aproximava dos 90 anos, e mesmo assim não temia receber também a punição da prisão.

Preocupação constante de Dom Viçoso foi a situação dos escravos. Quando ainda padre, escreveu um opúsculo, em forma de diálogo, provando que o pensamento dos filósofos, a legislação do Brasil e os ensinamentos da Igreja reprovavam totalmente o escandaloso tráfico de africanos e o aviltante uso da escravidão. A esse propósito, Dom Viçoso acolheu no seminário diocesano e defendeu firmemente a vocação de um jovem negro, filho de uma escrava, que se tornaria o famoso vigário de Três Pontas, MG: Bem-aventurado Pe. Francisco de Paula Victor (beatificado em 14/novembro/2015).

Dom Viçoso destacou-se na educação da juventude, não só cuidando dos jovens que podiam se tornar sacerdotes, mas também da juventude desvalida. Movido pelo seu coração vicentino, comprou em Mariana duas casas para abrigar as crianças abandonadas. Para este ministério, trouxe da França 12 irmãs da Caridade que fundaram em Mariana o Colégio Providência.

Tudo de bom que conseguia fazer, ele atribuía a Nossa Senhora, cuja devoção sempre promoveu, especialmente a do Mês de Maria, que tão profundas raízes deixou no coração do povo mineiro.

Ao voltar de usa última viagem, a que fez ao Caraça, em maio de 1875, sentiu que as forças já lhe fugiam. Pediu o santo viático que lhe foi dado em cerimônia comovente, na presença do clero, autoridades, seminaristas e numerosos fiéis. Todos queriam assistir à última lição de piedade do Pastor e Pai. Obtendo alguma melhora, conseguiu ainda celebrar sua última missa, no dia 16 de junho, festa do Sagrado Coração. Pediu depois que o levassem para a sua quinta da Cartuxa, a 3 km de Mariana, mais em contato com a natureza. Mas no dia 7 de julho de 1875, à 11h da noite, cercado dos amigos mais íntimos, entregou a alma a Deus o grande Apóstolo de Minas. À meia-noite, os sinos das Igrejas de Mariana lamentaram dolentes sua morte e avisavam a Mariana e a sua diocese que havia mais um justo no céu e menos um santo vivo na terra!

 

Oração pela beatificação

Senhor Jesus Cristo, glória dos vossos sacerdotes,

 Bom Pastor que destes a vida pelas vossas ovelhas, nós vos

agradecemos pelas virtudes e dons com que vos dignastes adornar a

alma do grande bispo, Dom Antônio Ferreira Viçoso, para fazer dele um modelo luminoso de defensor da Igreja, reformador do clero

e  santificador do povo cristão.

Vós que prometestes glorificar aqueles que vos servirem,

dignai-vos glorificar, com a honra dos altares, se for para maior

glória da Santíssima Trindade e honra do vosso sacerdócio, este vosso

 servo, e concedei-nos, para este fim, por sua intercessão junto de vós,

 a graça que confiantemente vos pedimos (fazer o pedido).

Pai Nosso, Ave Maria, Glória ao Pai.

 

Dies natalis: 7 de julho

Restos Mortais: na Cripta da Catedral Basílica de Mariana, MG.

Causa de Canonização: sediada na Arquidiocese de Mariana. Ator: Arquidiocese de Mariana[1].

Primeiro processo feito em Mariana de 1916 a 1922; retomado em 1964; Nihil Obstat em 03/1985; novo processo em1985, e passado a Roma em 03/1986; Decreto de Validade em 10/10/1986; publicação da Positio em jan/2002; reunião da comissão histórica em 23/04/2002. Decreto da Heroicidade das Virtudes em 8/julho/2014. Postulador: Pe. Giuseppe Guerra, cm; vice-postulador: Mons. Flávio Carneiro Rodrigues.

Bibliografia sobre Dom Viçoso:

Padre Silvério Gomes PIMENTA. Vida de D. Antônio Ferreira Viçoso, Bispo de Mariana, Conde da Conceção. Mariana: Tipografia Arquiepiscopal, 3a. ed., 1920.

D. Belchior J. da SILVA NETO. Dom Viçoso, Apóstolo de Minas. Belo Horizonte: Imprensa Oficial do Estado de Minas Gerais, 1965.

Mariano CALADO. D. António Ferreira Viçoso, Bispo de Mariana. Gráfica Ideal de Cacilhas (Portugal), 1987.

Maurílio CAMELLO. Dom Antônio Ferreira Viçoso e a reforma do Clero em Minas Gerais, no século XIX. São Paulo: Universidade de São Paulo, 1986.

Pe. Lauro PALÚ,cm. Dom Antônio Ferreira Viçoso, CM. Curitiba: Gráfica Vicentina Editora, 2003.

Site oficial da Família Vicentina (em italiano), com todas as causas de canonização da mesma: Dom Viçoso: http://www.vincenziani.com/santi.htm (cf. também Beata Lindalva e SD. Ir. Clemência).

Para comunicar graças alcançadas pelo servo de Deus:

Vice-Postulação e Secretariado da Beatificação de D. Viçoso

Mons. Flávio Carneiro Rodrigues

Caixa Postal 13

35420-000   Mariana  MG

Tel.: (0xx31) 3557-1351 e 3557-1237



[1] Oficialmente somente a Arquidiocese, mas a Congregação da Missão também se considera ‘co-ator’ (Província do Rio e Portugal, da Congregação da Missão – padres lazaristas). Fonte: http://www.geocities.com/damiroby/servdo.htm.

 

 

Inserida por: Administrador fonte:  administrador


 
 
 
Elaboramos esse site
com o objetivo de divulgar nossos santos.
 
 

Hospedagem e
Desenvolvimento